Seja bem vindo ao meu espaço :)




terça-feira, 25 de agosto de 2009

JOGAR PARA GANHAR OU PARA NÃO PERDER?

Este é daqueles temas que dá para uma enorme discussão, olhando para o nosso campeonato com apenas 2 jornadas e algo salta á vista, excepto Porto e Benfica e Sporting a espaços, todas as equipas tem como primeiro objectivo não sofrer golos para não perder, dão primazia á segurança defensiva!
Com isso resulta a luta pelo ponto, espectáculos maus, poucos golos, poucos adeptos.
A verdade é que o mais afectado pelos maus resultados são os treinadores, são eles que ficam sem os seus empregos, não existirá a partir deste pólo de pressão condicionalismos para o treinador adoptar essa forma de trabalhar?
Claro que cada um jogará com as armas que tem, adaptará o melhor sistema para a equipa derivado as caracteristicas dos jogadores que o plantel possui mas não será possível ser mais audaz?
Julgo que qualquer grupo de trabalho reflecte a imagem de quem os lidera, recordo-me de Jorge Jesus no Felgueiras, de Manuel Cajuda no Braga, Marítimo, Guimarães, José Peseiro no Nacional, Sporting, Lito Vidigal no Portosantense, Elvas, Ribeirão, e de alguem com quem aprendi bastante, Francisco Barão, onde o mais importante é treinar para ganhar, assumir o jogo, ter a bola, procurar desequilíbrios para finalizar! Correndo riscos é certo...mas não valerá a pena correr riscos para ser feliz?
Á sensivelmente 2 anos fiz um estágio de observação numa equipa da divisão de honra, equipa com qualidade, no entanto toda a semana ,80% das palestras foram dedicadas aos cuidados defensivos que essa equipa teria que ter no referido jogo, senti que os jogadores sentem esse receio e durante o jogo sentia-se essa falta de ousadia, os jogadores não arriscavam, jogavam sem fantasia e ao intervalo perdiam 1-0, palestra do treinador ao intervalo, voltou a falar quase só nos aspectos defensivos, e a equipa continuou curta, recuperava a bola e rapidamente tentava o jogo directo, sofre o segundo golo e tudo se altera, treinador manda subir a equipa, assumir o jogo e arriscar, como resultado a equipa pressiona, mostra qualidade na posse de bola, cria oportunidades e reduz para 1-2, assisti nos últimos 20 minutos a um jogo aberto, com velocidade, chances de golo de lado a lado mas o resultado já não se alterou, em conversa com alguns jogadores dessa equipa, senti que eles próprios sentiram que se tivessem jogado de forma diferente poderiam ter vencido o jogo, e mesmo que o tivessem perdido tinham feito tudo para o ganhar e que apesar da derrota o sentimento seria diferente! Guardei uma frase do guarda-redes dessa equipa, jogador que já tinha actuado em dois dos clubes grandes de Portugal e já em fim de carreira, as palavras que me disse foram: SE ESTE É O TEU OBJECTIVO DE VIDA NUNCA TE ESQUEÇAS QUE ÉS O LÍDER, E UM LÍDER TEM QUE SER CORAJOSO PARA QUE TODOS O SIGAM, VALE MAIS PERDER PROCURANDO GANHAR DO QUE ACABAR POR PERDER QUANDO NÃO PERDER FOI A ÚNICA PREOCUPAÇÃO, NO FIM DO JOGO A NOSSA CONSCIÊNÇIA TEM QUE FICAR TRANQUILA, É IMPORTANTE PARA O NOSSO EQUILÍBRIO MENTAL E QUEM PROCURA A VITÓRIA ESTÁ MAIS PERTO DELA.
São palavras vindas de alguém com enorme experiênçia que me tocaram e ficaram guardadas e que relembrei a visionar o Benfica-Marítimo e Guimarães-Benfica.
A minha opinião é que o principal problema é a mentalidade que se incute, e mesmo que tenhamos jogadores menos dotados tecnicamentes, muita vez a capacidade de superação faz as surpresas acontecerem e bons espectáculos, deixo como exemplo o Benfica-Penafiel da época passada, Porto-Atlético, Porto-Torreense, Benfica-Gondomar entre muitos outros, ou então olhar para o campeonato inglês onde a mentalidade é o jogo pelo jogo ou para mim a maior referencia actual, o Barcelona de Guardiola.
« A ALEGRIA DO GOLO SO PODE SER SABOREADA SE NÃO EXISITIR RECEIO DO REMATE Á BALIZA SAIR AO LADO » :)

6 comentários:

Carlos Rodrigues disse...

Bom dia João!
Belo artigo sem duvida! a realidade é essa que retratas, hoje existe demasiada pressao no futebol, demasiada gente a falar e a comentar futebol em tv,s, jornais, radios e a sua profissão é outra e este penso que tambem poderia ser um tema num futuro artigo!
Aceito que o medo de perder o emprego seja um dos factores para os treinadores arriscarem pouco, o que se viu nestas duas primeiras jornadas foi má qualidade de futebol e qualquer equipa esta mecanizada para quando perde a bola colocar imediatamente 11 jogadores atras da linha da bola e dentro do seu meio campo.
Trabalhar a parte defensiva é mais facil, e as vezes traz um ponto.
A minha opinião é que este sendo um campeonato so com treinadores portugueses podriam e deveriam acrescentar algo, é preciso espectaculo para atrair publico, e preferivel um 3-3 do que um 0-0!
A verdade é que podem dizer que um clube não pode jogar para os adeptos, a minha opinião é que não so pode como deve, o exemplo é as assistencias actuais do benfica em comparação com as do Sporting, o bom jogo, a boa atitude leva mais adeptos ao espectaculo sem duvida nenhuma!
Uma pequena nota, um treinador de quem esperava muito, Carlos Azenha, bom discurso,boas ideias teoricas mas apesar de ser uma equipa em construção estou desiludido! no jogo contra o rio ave, equipa que segundo ele ao nivel da sua, faz apenas um remate a baliza como diz ser possivel na entrevista que não concorda com o resultado????
abraço

Anónimo disse...

Caro joão!
è a primeira vez que deixo aqui a minha opinião apesar de ser um leitor atento do seu blogue e dos artigos que escreve, fui jogador,hoje sou pai de um atleta de formaçao!
Acerca deste artigo concordo consigo, hoje preocupa-se demasiado em defender, em não perder, varias vezes ouvi o meu filho dizer que se o treinador deixa-se... poderiam ter ganho...se deixa-se...podriam ganhar mais jogos... logo aqui se nota uma mentalidade que o mais importante é não perder!! o que vejo e desculpa a minha opinião é treinador medrosos que castram os jogadores, que lhe retiram a audácia de procurar a vitória! especialemente em formaçao nunca se deveria actuar assim, esta é a minha opinião e parece ser a sua!
Espero que continue com este blogue, escrevendo bons artigos e ja agora dei-a tambem um pouco de atenção a formaçao que se faz no nosso distrito.

Trindade

Anónimo disse...

Gostaria de lhe perguntar sendo treinador e defrontando uma equipa mais forte ou fora de casa se não se precavem jogando a defesa!
tenho uma regra que é se não ganhar tambem não posso perder!! a mim pouco me preocupa se o publico gosta ou não do espectaculo! o importante é não perder ou se for uma equipa muito forte perder por poucos!

continuações

Joao Prates disse...

Anonimo das 16:28...
Fiquei sem saber se fez uma pergunte se uma afirmaçao, contudo não discuto a sua opinião, cada treinador tem a sua! joga-se a defesa consoante se tem a bola ou não, mas mesmo que a equipa seja muito forte não posso preparar um jogo dizendo aos meus jogadores que vou perder e que o objectivo passa por perder por poucos! isso nunca!


Sr Trindade espero que continue a escrever no blog, é sempre interessante a troca de ideias!
abraço

Anónimo disse...

Boas João.
Concordo com o que aqui foi dito, mas muitas vezes entende-se por jogar à defesa e para não perder com jogar com todos atras da linha da bola, procurando o contra ataque (tantas vezes em pontapé para a frente) e utilizando o anti jogo. Parece-me que a abordagem a cada jogo poderá passar claro, por algumas preocupações de segurança defensiva em determinados jogos, mas as mesmas poderão ser em termos de baixamento de linhas, de encurtamento de espaços, de povoamento das zonas de perigo (eixo central) e uma zona defensiva mais baixa, contudo, se quando em posse de bola dermos maior liberdade à equipa, incutir-lhe as saidas rápidas (que não em pontapé para a frente) mas sim em posse de bola em progressão mas em segurança, aproveitando os espaços que logicamente se criaram pelo abaixamento das linhas, podemos claramente, jogando "mais atrás" preparar bem o momento de transição e tornar a equipa, que aparentemente parece defensiva, numa equipa sempre "no jogo" e colocando em sentido o adversário. A chave é, então, defender preparando o ataque e atacar preparando o momento defensivo.Difícil de trabalhar? Claro! Mas aí está o gozo de ser treinador! Aquele abraço
Carlos Guerreiro

Alexandre Sousa disse...

Aliando-me a esta discussao que considero interessante, concordo com todos,menos com o comentário do anonimo!
Por aqui se ve que cada treinador tem a sua forma de pensar o jogo e que o resultado é que diz se está correcto ou não!
Tambem critico esta forma de actuar dos treinadores em Portugal, a mentalidade é o ponto! Concordo que cada um terá que utilizar as suas forças da melhor forma, mas não e algo tão simples como procurar ganhar quando se tem a bola e defender quando não a tem?
Fiz estágios em algumas equipas e aquelas que mais me fascinaram foram a que tinham processos simples de treino, tive opurtinidade de assistir a treino do Alex Fergunson e fiquei admirado, sao simples e objectivos, com Quique eram muito complexos, muito trabalho, mas em termos de resultados...